Pixel art no Illustrator?

Yes, you can!

ImagemTituloPixelArt

/ Tutoriais

Olá a todos.

Este tutorial será dedicado a todos aqueles que amam games, principalmente de até 16 bit.
Existem muitos jogos que, mesmo antigos, de tão bem feita era a sua arte que envelheceram  bem e ainda hoje são considerados lindos, mesmo na nossa contemporaneidade cheia de gráficos em 3D mega realistas encontrados nos super consoles e jogos “AAA”.
A pixel art, hoje em dia, tem se tornado bastante popular por influência das novas tendencias de produção de jogos independentes, hoje levada mais à sério, que nos trazem novamente aquela estética dos anos 80/90.

Podemos desenvolver um trabalho de pixel art, seja na construção de sprites de games, quanto estética (meramente contemplativa), em diversos softwares gráficos, até no velho Paint.

O diferencial da lição de hoje será o meio pelo qual faremos a nossa pixel art: usaremos VETORES. Mas o que difere o uso de vetores, nesse caso, em relação ao uso do próprio pixel? Vetor pode ser utilizado na pixel art?

  • Primeiramente, o uso de vetores, nesse caso, nos permite uma total despreocupação com a escala da nossa arte em questão, pois a mesma, dessa vez, será baseada em cálculos feitos pelo próprio software, sem que haja qualquer interferência na qualidade do material.
  • Em segundo lugar, se considerarmos que pixels são unidades gráficas dentro da menor escala reduzida, podemos crer que este é um módulo. Partindo desse princípio, podemos simula-lo criando nossas próprias unidades de módulo, seguindo a lógica da pixel art. No caso, teremos um módulo quadrado, igual a um pixel, então podemos considera-lo como um pixel.

Para todos que quiserem entrar mais a fundo nesse mundinho, eis aqui um bom referencial.

Vamos colocar a mão na massa! Verão como é fácil.

Passo 1

Abra o documento, com qualquer tamanho (Lembre-se que, no caso dos vetores, não há muita diferença de um documento de 1000px, pra outro de 100px) e construa um quadrado com a ferramenta Rectangle Tool (M).

Passo 2

Com o retângulo selecionado, aperte lá em cima em Object > Path > Split to Grid. Isso abrirá um box de ajustes. Esta opção servirá para transformarmos o nosso quadrado numa malha, onde poderemos fazer a nossa arte.

Passo 3

Nesse passo é bom atentarmos aos valores de número de colunas e linhas (aqui mostrado como “number”) e o valor do “Gutter” (os espaços entre as linhas e colunas). No meu caso, decidi escolher 30 colunas e linhas. O Gutter sempre terá o calor de zero, pois os pixels tem que ser realmente colados um no outro. A altura e largura da malha e dos pixels não tem muita influencia, aqui, de modo que podemos escalonar nossa arte livremente.
É importante observar também que a forma da malha ser um quadrado exato evita qualquer cálculo pelo programa que fuja do que queremos.

Passo 4

Mantendo a nossa malha selecionada, usaremos a Live Paint Bucket Tool (K). A princípio, é necessário que selecionemos a malha para que a ferramente “saiba” onde atuar.

 O que era uma malha de quadrados isolados, ainda que unidos, se tornará ,com o uso da Paint Bucket, uma malha própria para pintura com apenas um clique dado pela ferramenta dentro de sua área.

Passo 5

Agora podemos começar a preencher o nosso desenho.

Passo 6

A partir daqui, serão demonstrados alguns “pulos do gato” dessa ferramenta.

A Live Paint Bucket Tool, até agora, atuou apenas em doses homeopáticas, ponto a ponto, mas podemos preencher grandes áreas com ela com menos clicks. Basta seguir essas dicas.

Com a malha selecionada retire as cores apenas do stroke. Isso retirará a “fronteira” entre uma célula e outra. Logo depois, “desselecione”: você pode fazer isso clicando com a Selection Tool (V) em alguma área vazia, fora da malha.

Percebam como as células continuam lá, mas estão invisíveis.

Passo 7

Agora é possível pintar em grandes áreas com a nossa ferramenta sem esforço algum. Basta clicar 2 vezes em qualquer ponto do local. A Live Paint Bucket Tool pode interagir tanto com os quadros de Collor e Swatches, geralmente à direita da área de trabalho do Illustrator, como com atalhos: basta usar as setas direcionais que ele navegará pelo quadro de Swatches sem a necessidade de clicarmos lá.

Reparem nas três cores acima da ferramenta. Elas podem ser trocadas por atalho.

Passo 8

A parte da malha externa aos limites do desenho também pode ser preenchida dessa forma.
E você pode também desenhar luzes e sombras com tons mais claros e escuros para termos um efeito mais bonito.

E aqui está a nossa arte finalizada!

Feliz natal para todos!

: )



Rodrigo Passos

Ilustrador e Designer estagiando na Virtualize Soluções Criativas. Graduando no curso de Design e Programação Visual pela UFBA - Universidade Federal da Bahia. Atua com a arte-finalização e conceitos de Jogos Eletrônicos em plataformas variadas, além de web-sites, blogs e branding. Fanático por Illustrator, Design e Chrono Trigger.