mercado_oriental

/ Tecnologia

As barreiras do mercado oriental

para negócios digitais

            A tecnologia da informação e o advento da internet possibilitaram às empresas a oportunidade de ampliar seus mercados, alcançando proporções globais em seus negócios. Isto causou grande impacto na estrutura dos mercados, pois modificou a maneira de fazer negócios, acirrou a concorrência e colocou o consumidor ainda mais em evidência, tendo mais opções para suas escolhas e o compartilhamento de idéias, soluções e satisfações (ou insatisfações) sobre produtos e serviços consumidos.

            A cultura ocidental, baseada nos preceitos do consumo exacerbado e de valores progressistas, supervalorização da propriedade e da riqueza, torna-se um prato cheio para o ingresso de novos negócios que tragam soluções de seus problemas e fortaleçam ainda mais os pilares de sua estrutura cultural.

            Entretanto, é perceptível a extrema diferença do mercado oriental, onde as regras são outras. O desenvolvimento da sociedade não se sobrepõe aos valores históricos, morais e até mesmo milenares de alguns países do oriente. Casos de fracassos empresariais em mercados de cultura oposta não são raros. Temos como exemplo o Facebook, que a toda custa vinha tentando  estabelecer-se no mercado chinês, esquecendo-se do choque cultural que existe entre seu país (EUA) e o “vizinho” asiático. Apesar de o comércio internacional existir desde a antiguidade, a globalização cultural é praticamente impossível. Divergências afetam as relações pessoais, diplomáticas e empresariais.

            Para que haja êxito em tal relação é imprescindível muito mais que fatores de negociação, estabelecendo laços sólidos de amizade e socialização com o mercado que se almeja entrar. Empresas têm insistido de forma errônea em impor seus costumes, valores e modos de vida através de seus produtos e serviços, fortalecendo ainda mais a resistência por parte dos países orientais. Mesmo nos negócios digitais, em que aparentemente possuam  facilidades para alcançar os consumidores deste mercado, estabelecer fundamentos e conquistar a confiança do público tem sido uma tarefa difícil.

            Para resolver esta barreira cultural, é necessária uma filosofia empresarial flexível, em que haja conhecimento não somente dos players do mercado, mas principalmente dos pilares culturais orientais, respeitando e adaptando ao modo de vida destes consumidores, caso isso seja viável economicamente à organização. De forma acertada, o Facebook mudou de estratégia: em parceria com o mecanismo de busca chinês Baidu, a empresa de Mark Zuckerberg irá criar uma rede social chinesa alternativa ao Facebook, já que tem enfrentado sérios problemas em estabelecer-se no país.

            Portanto, o fator cultural é determinante para o sucesso dos negócios digitais, mesmo que geograficamente seja possível alcançar culturas diferentes, como os países orientais. É preciso pesquisa e análise, de forma a munir o gestor de informações que auxiliem na tomada de decisão em expandir seus negócios.



Virtualize Soluções Digitais

Empresa especializada na criação de sites, desenvolvimento de jogos, de aplicativos para celular e para redes sociais como o Facebook. Localizada em Salvador - BA.